terça-feira, 26 de abril de 2011

Este blog serve, não só para homenagear a vila de meus antepassados, mas também para deixar a meu filho, lembranças de momentos inesquecíveis passados, também ele aqui, na companhia dos avós.
Hoje ainda não dá o devido valor, a momentos que não voltam mais, mas sei que um dia, sorrirá só de os relembrar…
Este ano viemos para Salvaterra mais cedo, logo no dia 17. Domingo e Segunda tivemos um tempo espectacular de Primavera/Verão, mas na Terça tudo mudou, tendo chovido o tempo todo durante 4 dias, o suficiente para fazer crescer o rio.
Como o meu pai tinha tirado ao neto, no “Ayuntamiento de Zarza la Mayor” a devida licença para pesca, o Tiago teve esta Páscoa, a sua primeira experiência piscatória no rio Erges.
Assim, na margem espanhola do rio, era vê-los atarefados a preparar os anzóis e a lançar a linha…

O isco eram as minhocas que o Tiago apanhara no quintal, sonhando voltar para casa, com peixe para o jantar…
O avô que nunca fora pescador, nem tinha tido qualquer experiência a este nível, tentava ensinar o neto, o melhor que sabia. Deram tantas voltas ao carreto, que a linha se enrolou toda e ficaram ali imenso tempo a desenrolá-la. Até deu tempo para eu pegar no carro e ir a Ceclavín encher o depósito.
Quando voltei, estava já o meu pai a ensinar ao neto, como espetar a minhoca no anzol.


Espetou a minhoca, tendo ficado parte dela a abanar, para que os peixes vissem que o animal estava vivo e era um bom petisco.
Ao lançar a linha, tal foi a força que fez, que esta se partiu, levando com ela a chumbada, a minhoca e o anzol… E foi vê-los a voar, quase para a outra margem do rio… Claro, foi risota geral. A seguir foi a vez do neto preparar o engodo e lançar a linha ao rio. Como que por intuição, afastámo-nos dele; mesmo assim, o anzol prendeu-se nas calças da avó que estava por perto.
“-Foi o vento que me trocou as voltas…”- dizia ele.
E o avô à gargalhada afirmava: "Olha! Olha! O Tiago pescou um tubarão..."
Quando por fim, lá apanharam o jeito a lançar a linha, era vê-los felizes, porque sentiam o peixe de volta do isco, e já imaginavam o bicho temperado, pronto a ser cozinhado…


Só que quando puxavam a linha, vinha o anzol com a minhoca metade comida. Ah! Afinal os peixes deste rio, parece que de parvos, nada tinham.
Então a estratégia dos “pescadores” mudou: com muita paciência e mãos hábeis, espetaram a minhoca toda no anzol.
“-Agora, se a quiserem comer, hão-de ficar lá presos” – dizia o avô esperançado.
E o suspense de sentir o peixe de volta do isco repetiu-se. E quando enrolaram a linha, surpresa das surpresas, a minhoca desaparecera.
“-Mas como é que é possível?” – perguntavam-se indignados.
A explicação que encontraram é que a minhoca afinal sabia nadar e tinha fugido.
E a avó, que pacientemente tentava a sua sorte com os peixes mais pequenos, e uma rede, com os quais pensava enganá-los, só se ria.


E foi assim, uma tarde deliciosa para os peixes, e uma grande desilusão para os pescadores enganados.
Uma tarde que acabou com o céu a escurecer, e pequenas gotas de chuva a desenharem círculos no rio.
Como que adivinhando que os pescadores estavam de partida, viam-se peixes a vir à tona, e agitarem a água, como que dizendo:
"-Venham mais vezes, adorámos o petisco!"...

3 comentários:

João Celorico disse...

Olá, Cristina!
Veja como são as coisas, eu até soube dessa aventura logo a seguir ao acontecimento. A terra é pequena e o sr. Ramiro fez a "comunicação" ao pessoal. Eu só não soube quem eram tão afamados pescadores. lol...
Isso requer é continuação pois os peixinhos agradecem. Foi um "Bodo" aos peixinhos, já que o outro não o houve.

Abraço,
João Celorico

Cristina disse...

Olá amigo João,
Dizem que as notícias “voam” depressa pelo Facebook, mas isso é porque ainda não conhecem Salvaterra, lol…
Foi realmente um autêntico “bodo” para os peixes. Eu não o mencionei na minha narrativa, mas para além de comerem as minhocas todas, ainda comeram pão e chouriço: os restos do lanche do Tiago…
Um abraço!
Cristina

Close up! disse...

Que engraçado!
Fartei-me de rir com as peripécias "marítimas"...
Ah,ah!
Coitados dos pescadores!