terça-feira, 27 de abril de 2010

A Páscoa na minha vila...

Este ano só cheguei à terra, mesmo no Domingo de Páscoa, já de noite.


Mesmo assim, ainda deu para ir espreitar o conjunto musical que actuava nessa noite, com suas bailarinas, cujos olhares masculinos olhavam embasbacados para os dotes físicos das meninas, lol…
Deu ainda para assistir ao espectacular fogo de artifício. Este ano, não se pouparam a esforços para dar aos filhos da terra e não só, um maravilhoso espectáculo pirotécnico. Foi para compensar o ano passado, com certeza, em que não foi lançado um único foguete.
Mas foi, de facto, muito bonito. O rebentamento estrondoso no ar, era compensado pelos belos efeitos de luzes, no céu escuro, da noite escura. Maravilhoso!
Na Segunda-feira, os foguetes que começaram pela alvorada a ser lançados, não nos deixaram dormir até mais tarde. Mas a intenção era mesmo essa: para chamar ao pequeno-almoço da chanfana e do arroz com tripas. Eu pessoalmente, dispenso! Mas aconselho a experimentarem, quem sabe até gostam...
Este ano, pela primeira vez, conseguimos todos chegar atrasados à procissão. Como se costuma dizer: “já a procissão ia no adro”, lol… Mas o atraso deveu-se a terem-nos informado que começaria a uma hora, e afinal começou mais cedo.
Desanimei logo um pouco, pois sempre que vou, costumo posicionar-me antes da procissão começar, nos pontos estratégicos que dão melhores fotografias. Este ano, cheguei atrasada, e era ver-me a passar do fim da procissão para o início, e depois eles iam passando, e lá voltava eu, em passo apressado, ao inicio da procissão, voltando a pedir licença às mesmas pessoas para me deixarem passar. Isto nunca me tinha acontecido. Eu que gosto de passar despercebida, este ano fui pior que “fotógrafa de casamentos”, como alguém já me disse, lol…
Quando a procissão chega ao destino, à capela de N. Sra. da Consolação, são então lançados mais foguetes. E quando volta o silêncio, é ver as crianças à procura das tão desejadas canas. Esta é a maior alegria que podem ter, durante os dias que dura a festa.
Depois da missa, dirige-se o andor de N. Sra. e de Sto. António, para o recinto do bodo, onde será benzida a tradicional mesa com o pão, o vinho, o ensopado de borrego, os folares e o saboroso queijo da região. Entretanto já muitos acorreram a apanhar lugar e aguardam com a mesa já posta. Nesta espera, reencontram-se velhos amigos e fala-se dos tempos de meninice e de traquinice…
Começa então a ser servido o pão em grandes cestos, o vinho, e os alguidares da sopa de grão. “-Está boa!” – esta sopa de grão e massa, que farta por si só.
Depois vem o ensopado de borrego, que também não sou muito apreciadora. Mas dizem as boas bocas, que também está muito bom.
E assim se vai passando o bodo. Muitos espanhóis e portugueses juntos, confraternizando entre si…
E depois é vê-los a partir, pois há ainda que fazer grandes viagens, e muitos, Terça-feira já têm de ir trabalhar…
Mas não eu! Este ano aproveitei as férias da escola da criança e meti o resto da semana de férias. E digo-vos: foi o melhor que fiz.
Não há como a Primavera! Está-se cá bem melhor nesta altura, que no calor tórrido do Verão. E é tudo muito mais bonito…
Nestes dias, andei por certas localidades vizinhas, que também são muito bonitas, como: Segura, Termas de Monfortinho e Castelo Branco, e muito tenho eu para contar desta linda cidade… Mas isso, fica para outro post, pois este já vai longo…
Bem haja a todos quanto me visitam e ainda têm paciência para me lerem até ao fim…
Cristina.

4 comentários:

Helena Teixeira disse...

Olá e bemvinda de volta,menina Cristina!
Andou desaparecida da Páscoa da Aldeia...
Mas aproveito o seu regresso e deixo um convite: Participe na blogagem de Maio do blog www.aldeiadaminhavida.blogspot.com. O tema é: Vamos ao Museu. Para tal, basta enviar um texto de máximo 25 linhas, 1 foto ilustrativa, o título e o link do blog para aminhaldeia@sapo.pt até dia 10/05. Pode escrever sobre o seu museu preferido ou monumento. Há boa disposição e prémios.

Jocas gordas
Lena

jefhcardoso disse...

Cristina, pensei em uma maneira de falar e homenagear a todos que tanto vêm me incentivando com o carinho e apoio que me doam.
Escrevi uma crônica pensando em nós blogueiros. Falei sobre o que penso ser o blog para nós. Você pode concordar ou discordar; pode também acrescentar; mas não deixe de opinar. Leia e entenderá por que a sua opinião é indispensável para mim e para todos blogueiros.

Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

Cristina disse...

Olá Helena,
Obrigada pelo convite. Vamos ver se consigo rabiscar algo até essa data para poder participar.
Ficar-me por 25 linhas é que vai ser difícil, mas vamos ver.
Beijos.

Cristina disse...

Olá Jefh,
Um texto muito bom, ao qual nada tenho a acrescentar ou criticar. Está tudo lá…
No meu caso, comecei por criar um blog para homenagear duas pessoas que me foram muito queridas e que infelizmente me deixaram há uns anos, sem que pudesse dizer-lhes tanta coisa, que por vergonha, ou por não dar valor na altura, nunca disse: meus avós.
Por isso meu blog serve para isso, para falar de sentimentos, para divulgar uma vila meio esquecida neste Portugal, também ele meio esquecido…
Serve até quase como diário, onde poderei um dia recordar os melhores momentos; onde ficarão cá gravadas as palavras e imagens, quem sabe para meus netos e bisnetos, e todos que hão-de vir…
Muitas vezes o blog fica parado, ou porque nem sempre temos algo a dizer, ou porque não temos tempo, na correria do dia-a-dia, ou porque pensamos que ninguém nos está a seguir e que ninguém dá por nossa falta.
Mas é como se fosse uma segunda casa, e um dia sempre voltamos…
Continue com seu bom trabalho e a presentear-nos com suas postagens…
Tudo de bom para si!