quarta-feira, 27 de maio de 2009

O futuro tocando o passado...

O que é preciso para fazer uma criança feliz?
Às vezes muito pouco. Às vezes as pequenas coisas que podemos fazer por eles, serão para eles as mais grandiosas e inesquecíveis…
Neste caso, apenas deixá-lo tocar o sino.
O sino que ele tantas vezes via apenas lá de baixo. Uma criança pequena em frente a uma torre que lhe parecia tão alta e inatingível. Sim, porque quando se é pequenino, tudo nos parece grande e inacessível…
O sino que ele tantas vezes pensava só a cegonha poder lá chegar, e que era tocado por alguém cá em baixo, que puxava uma corda…
E quando se é criança, e se deseja tanto algo, quando o nosso sonho se realiza, esse sim, será dos dias mais felizes e inesquecíveis da nossa vida.
E tão feliz estava este menino, que até os olhos pareciam estrelas a brilhar… Tão feliz que ainda hoje sonha e pensa nisso e em repetir novamente a experiência.
Louvo o Ti Arnaldo, o velhinho que se vê na filmagem a dar instruções, que, com os seus noventa e tal anos, continua a subir aquelas escadas estreitas, escuras e escorregadias em espiral, para chegar ao campanário da igreja, e fazer ecoar as suas badaladas pelos ares. Que Deus lhe dê muitos mais anos para assim continuar...

12 comentários:

Anónimo disse...

Oi Tiago que sensação óptima não????Sabes que tocas-te muito bem o sino? A tua Mãe proporciona-te momentos muitos bonitos tás a ver? Tens que lhe obedecer e ser um menino bonito porque ela ama-te muitooooooooo mais que tudo no mundo.Tens uma Mãe linda e muito tua amiga beijinhos para vocês.Os teus colegas ficaram todos com inveja,mas olha dizes-lhes para pedirem aos pais deles para os levarem a sítios assim bonitos em vez de os levarem para o forum ou estarem com as playstations e em frente á televisão!!!!!!!!! Ana

Anónimo disse...

Olá, Cristina!
É bom ver isto!
Todos temos uma criança dentro de nós, o que vai sendo difícil é mantê-la viva!

É isto que nos faz fugir
pr'a bem longe das cidades!
Poder, em sossego, ouvir
o doce toque das Trindades!

Para completar, aqui vai, de Carlos Queiroz, do livro "Desaparecido e outros poemas" este lindo poema:

Canção inocente

Menino: queres ser meu mestre?
- Contigo, tinha tanto que aprender!

A ser casto, sem querer;
a ser bom, sem o saber,
a ser alegre, sem ter
motivos para o ser.

Menino: queres ser meu mestre?
- Deixa-me o teu arco aí. Vem ensinar
a sorrir e a confiar;
a ter esperança e a perdoar,
a esquecer e a chorar…

Menino que brincas no jardim:
- Tu, sim,
podias ser um mestre para mim!

Espero que goste. Um bem haja e até breve!

João Celorico

Ricardo Calmon disse...

Belo,narrativa sua,Cristina in locum nos leva,sensibilidade à flor dapele,ternura pura!

Viva a Vida!

Anónimo disse...

Cristina
Há um lugar especial na vida que só tu reconhecerás. Uma estrada tem o teu nome e espera por ti. Existem mãos que tu deves segurar, uma palavra que tu deves dizer, um sorriso que tu deves dar e lágrimas que só tu poderás enxugar.Minha Linda quero-te muito feliz.Ana Bernardo

Anónimo disse...

Olá Cristina!
Cá estou, aproveitando a "boleia", para dar a conhecer mais alguma coisa da minha(nossa) terra.

Apesar da linda e singela prosa deste “post”, talvez o título pudesse ser “O futuro (o menino) tocando o passado”. Tocando duplamente, claro!
Como penso que seria interessante identificar o local deste momento de ternura, aqui fica um pouco da história destas pedras para os que o não sabem e também para os conhecedores.
Desconheço a idade dos sinos (é possível que tenham a data gravada) mas, decerto, os originais não resistiram à sanha dos franceses. Também, pela observação do vídeo, me fica a ideia de que o Ti’Arnaldo não terá que subir a escadaria para tocar os sinos. Parece que as novas tecnologias já por ali estão. Valha-nos que ainda não substituíram os sinos por uma “cassete” e um alti-falante.

Embora desconhecendo-se o ano da sua construção, sabe-se que esta igreja matriz de Santa Maria (o orago é NS da Conceição e não NS da Consolação como alguém já tem escrito) é muito anterior a 1505, ano em que D. Manuel I manda reconstruir e alargar a igreja matriz e faz erguer o (este mesmo) campanário. O certo é que em 1509, no desenho de Duarte d’Armas, ainda aparece a igreja destelhada e em degradação. E, pelos vistos, nem o foral de D. Manuel I, dado em 1 de Junho de 1510, fez andar as obras pois que, em 1537, Fr. António Lisboa, da Ordem de Cristo, dá conta do mau estado em que se encontrava o monumento, em particular as obras artísticas do interior (pinturas do retábulo e uma caixa de damasco branco, oferecida por D. Manuel I, por ocasião do foral novo passado à povoação).
A actual configuração do templo, julga-se da traça de Pêro Sanches e data de meados do século XVI, altura em que se terá refeito a fachada principal, passando a ostentar portal axial de arco de volta perfeita, inscrito em alfiz limitado por pilastras, e um cenográfico varandim ao nível do segundo andar. Do lado Sul ergueu-se, então, um poderoso campanário. O arco triunfal deve também corresponder a este período, enquanto que os retábulos, principal e laterais, foram executados na época barroca, provavelmente na primeira metade.
Quanto ao retábulo do altar-mor, feito ao moderno, é obra barroca do estilo português ou nacional, com colunas e arquivoltas torsas e profusamente decoradas com os motivos mais comuns, como sejam parras, cachos, fénices, anjinhos, etc., e terá substituído um retábulo anterior, mais ou menos contemporâneo da igreja. Um dos douradores foi José Ramos, de Salvaterra.

Curioso o facto da padroeira de Salvaterra ser a padroeira de Portugal desde 1640! Ou será que é o inverso?

Oxalá este longo arrozoado não tenha sido fastidioso, mas são cerca de 500 anos de história!

Felicidades, um bom fim de semana e até breve!

João Celorico

Anónimo disse...

O Engano da Bondade
Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra.
Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de olhos aguados e palavras brandas, já não há cretino de intenção subterrânea e gesto condescendente que não leve a bondade, por vós outorgada, como uma porta fechada a toda a penetração do nosso exame. Reparai que necessitamos que se chamem bons aos de coração recto, e aos não flexíveis e submissos.
Reparai que a palavra se vai tornando acolhedora das mais vis cumplicidades, e confessai que a bondade das vossas palavras foi sempre - ou quase sempre - mentirosa. Alguma vez temos de deixar de mentir, porque, no fim de contas, só de nós dependemos, e mortificamo-nos constantemente a sós com a nossa falsidade, vivendo assim encerrados em nós próprios entre as paredes da nossa estuta estupidez.
Os bons serão os que mais depressa se vão libertar desta mentira pavorosa e saberão dizer a sua bondade endurecida contra todo aquele que a merecer. Bondade que se move, não com alguém, mas contra alguém. Bondade que não agride nem lambe, mas que desentranha e luta porque é a própria arma da vida.
E, assim, só se chamarão bons os de coração recto, os não flexíveis, os insubmissos, os melhores. Reinvindicarão a bondade apodrecida por tanta baixeza, serão o braço da vida e os ricos de espírito. E deles, só deles, será o reino da terra.
Bom fim de semana
Ana Bernardo

Cristina disse...

Querida Ana,
o Tiago ainda não dá valor ao amor que sua mãe tem por ele. Ainda está naquela idade em que a vida é apenas para brincar e divertir-se e não pensar muito. É deixá-lo chegar aos 30, lol, que aí sim começará a dar mais valor ao que tem ou teve...
Quanto ao video dele, apenas o publiquei no Youtube com o intuito de mostrar aos colegas que o que ele dizia era verdade. Pois depois da Páscoa, quando regressou ás aulas, entusiasmado como vinha, contou a todos que tinha subido lá bem acima, até ao campanário da igreja, e que tinha tocado o sino. Muitos deles não acreditaram isso ter sido possível. Talvez, porque infelizmente, muitos deles não tenham contacto com esta realidade, com a vida nas aldeias.
E então publiquei o video e assim ele pôde enviar a alguns colegas, inclusivé ao professor, o endereço no Youtube, para que vissem...
Nem eu, nem ele pensámos que o professor no dia de levarem o “Magalhães” para a escola, que o fosse mostrar a toda a turma.
E quando todos viram, ficaram eufóricos a fazerem-lhe perguntas e a quererem o mail dele, para que também a eles lhe enviasse o video. Vinha todo “inchado” e vaidoso nesse dia. Como o professor, mais tarde me disse: “com o ego lá bem em cima”.
Acho que neste dia ele finalmente percebeu que, ao contrário de muitos meninos, ele até tem muita sorte, por poder ir onde os outros não vão, e poder fazer coisas que os outros nem imaginam ser possível fazer...

Cristina disse...

Meus amigos,
Os vossos comentários já são tantos, e eu que gosto de responder a todos, nem tenho “mãos a medir”.
Deixo aqui o meu agradecimento no geral. Obrigada a todos pelo vosso carinho e amizade. Bem haja!
Quanto ao amigo João Celorico, agradeço o poema “Canção inocente”, que é muito bonito e toda a informação aqui postada sobre a nossa bela Igreja Matriz, que tem, de facto, uma longa existência e um dos mais bonitos altares talhados e decorados, há pouco tempo restaurado.
Os sinos realmente já não são os originais. E por acaso quando andei por lá a filmar reparei na data inscrita: 1969 (salvo erro).
Obrigada por ir divulgando aquilo que, por falta de mais tempo, eu não tenho tido tempo de divulgar, porque muito há ainda a dizer desta bela e histórica Vila...
Bem haja por tudo!
Um bom fim-de-semana...

P.S.: agradeço e aceito a sugestão para o título do “post”. É de facto o futuro (porque o futuro são as crianças), a tocar o passado... Badaladas tantas vezes ouvidas por nossos antepassados...

Susana disse...

Olá Cristina!

Venho fazer um convite (se já o fiz é só para relembrar):
No dia 10 de Junho. comemora-se o dia de Portugal , o dia de Camões, bem como o das Comunidades Portuguesas no Resto do Mundo.

Proponho comemorar este dia tão importante para todos os portugueses de uma forma diferente:
Convido todos os leitores e amigos para participarem na primeira Blogagem Colectiva “ A aldeia da Minha Vida ” nos dias 9 e 10 de Junho de 2009.
A Blogagem está aberta a todos, sejam bloguistas ou não.

Pretende-se que todos os participantes produzam um texto sobre uma aldeia portuguesa, de qualquer ponto do país. O texto deve ser original, constando o nome verdadeiro da aldeia , acompanhado com uma fotografia ou filme, ou slides que possam dar a conhecer a sua escolha.

O melhor texto será premiado com um fantástico fim de semana em Monsanto, a Aldeia mais Portuguesa de Portugal, do concelho de Idanha-a-Nova.

Para saber mais: www.aldeiadaminhavida.blogspot.com

Conto com a sua participação!

Um abraço, Susana

Susana disse...

Olá Cristina:

Em primeiro lugar quero agradecer por ter aceite o meu convite, certamente terá muito que contar sobre a sua aldeia.

Em segundo lugar, gostava que oficializasse a sua inscrição no e-mail: aldeiadaminhavida@sapo.pt
Atenção: o prazo de inscrição termina dia 6 de Junho (Sábado)!

Ficarei a aguardar por si.
Bjs Susana

Susana disse...

Cristina: Peço imensa desculpa: o erro foi meu! O e-mail correcto é: aminhaldeia@sapo.pt.( já devia estar cansada quando te enviei o endereço...)

Manda ,quando puderes , a inscrição, mas não te preocupes em enviar já. Entretanto vou adicionar-te na lista de participantes.

Um bj Susana

Susana disse...

Então Cristina, não conseguiste postar o teu texto para ablogagem?

De qualquer modo, não há problema,pois vou postar o teu texto , tal como os outros para serem submetidos a votação a partir de 10 de Junho.

Aproveito para esclarecer que:

A votação começa amanhã, dia 10 e acaba dia 28 de Junho no blogue da aldeia da minha vida.

Para votar, poderá faze-lo amanhã deixando um comentário ao texto que considerar o melhor.

Um comentário transforma-se num voto.

Até amanhã!

Bjs Susana